A Brasília que não lê

Quem são esses brasileiros analfabetos residentes no DF?

Leia Mais

Projeto Leitura

O Projeto Leitura, tem como objetivo vencer um dos maiores desafios encontrados pelos professores e amantes da literatura: Criar o hábito da leitura.

Leia Mais

Projeto LEF

Projeto LEF Confira artigos, trabalhos, Vídeos, Fotos, projetos na seção do Letramento no Ensino Fundamental.

Leia Mais

Decidi levar os jovens alunos que participam de meu projeto “Superando o analfabetismo funcional“ (CNPq) para ver a cinebiografia, “O Destino de uma Nação”, do ilustre Primeiro-Ministro inglês Winston Churchill. (1874-1965).

“O Destino de uma Nação” é um filme britânico do gênero drama de guerra dirigido por Joe Wright e roteiro de Anthony McCarten. É estrelado por Gary Oldman como Winston Churchill.

Antes de irmos para o cinema, tivemos uma longa conversa. Primeiro fomos localizar no mapa-múndi o país de Winston Churchill. Em seguida, nos familiarizar com as denominações: Reino Unido, Grã Bretanha e Inglaterra. Reino Unido é o termo usado para descrever Inglaterra, Irlanda do Norte, Escócia e País de Gales, que, juntos, formam o Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, que é um Estado soberano. Seguem os textos. 

Texto 1:

“Um filme dramático onde se ocorre (sic) na Europa na Segunda Guerra Mundial, com Winston Churchill como protagonista principal.

Churchill já teve o cargo de primeiro-ministro, mas por escolhas erradas causou mortes de soldados, sendo mais conhecido por sua má fama. Mas depois de anos do ocorrido, Churchill é chamado pelo Rei para ter o cargo de primeiro-ministro de volta. Ele terá que fazer uma difícil decisão e para isso terá que ter a ajuda e opinião de seus superiores.

Churchill terá que decidir se irá assinar o tratado de paz com Hitler, mas o povo perderá seus direitos (sic) mas Churchill e o povo britânico (sic) com o apoio do Rei da Grã-Bretanha (sic), Churchill faz uma reunião com seus superiores, aonde (sic) questiona-os sobre a opinião deles, e com o seu bem feito discurso, consegue a aprovação de todos e não assina o tratado e declara que todos os soldados vão para a guerra, agora, sendo apoiado por todos.”

Na leitura que a Professora fez com o aluno, ela lhe sugeriu que fosse mencionada no início do texto a nacionalidade de Winston Churchill com o objetivo de torná-lo mais informativo. E ambos discutiram a questão da informatividade em qualquer texto.

A sequência “onde se ocorre”, no primeiro parágrafo, é uma hipercorreção. O autor usa o verbo “ocorrer” como se fosse pronominal.

Observe-se no segundo parágrafo a expressão “terá que fazer uma difícil decisão”. “Fazer uma decisão” é um empréstimo da língua inglesa que vem-se generalizando no Português atual.

Vejam-se, finalmente, fragmentos oracionais no último parágrafo que a Professora discutiu detalhadamente com os alunos, que o reescreveram.

Texto 2:

“O filme é contado na Segunda Guerra Mundial onde Hitler está derrotando todos os países.

Winston Churchill é designado para ser o primeiro (sic) ministro (sic), mas por sua má fama ele é odiado por muitos.

Ele terá o dever de declarar paz com o Hitler, mas o tratado de paz tiraria a liberdade deles e Churchill era contra se entregar, então ele decide lutar pelos seus direitos e de seu país, mas será uma batalha difícil, pois ele precisa da aprovação do povo britânico e seus superiores.

Churchill decide pedir a opinião do povo britânico em um metrô (sic) que nunca havia entrado em toda sua vida.

O povo era contra fazer um acordo com Hitler por paz, então Churchill reúne todos aqueles com quem trabalha e também pergunta se eles era (sic) a favor da negociação, e todos recusaram.

Então, na reunião com seus superiores, Churchill recusa fazer um acordo com Hitler e diz que irá lutar até o fim para que o Reino Unido tenha a vitória.”

Como no texto anterior, a Professora recomendou que fosse esclarecida ao início a nacionalidade do primeiro-ministro. Também  foi comentada a ortografia de “primeiro-ministro”, com hífen. 

Na sequência “... em um metrô (sic) que nunca havia entrado em toda sua vida” observa-se a oração adjetiva da forma como é usada na comunicação habitual no Brasil, isto é, com a supressão da preposição “em”. Comparem:

            (1) Que nunca havia entrado em toda sua vida

            (2) Em que nunca havia entrado em toda sua vida

            (3) Onde nunca havia entrado em toda sua vida

Esta é uma boa oportunidade para mostrar aos alunos as três variantes. Convém observar também que a forma (1) é cada vez mais usual na língua.

O próprio aluno, quando releu o texto, percebeu a falta de concordância em “eles era (sic) a favor da negociação”.

No último parágrafo, a Professora mostrou que a forma verbal “recusa” deveria ser usada pronominalmente: “se recusa”. Outras pessoas e tempos verbais desse verbo são mencionados. Exemplos:

            Eles se recusaram a deixar o local

            Nós sempre nos recusamos a frequentar aquele espaço

Ao final, Professora e alunos ainda comentaram sobre o termo “Reino Unido”, voltando a examinar o mapa político da Europa.

Categoria pai: Seção - Blog

Pesquisar

A Odisseia Homero

Em 19 de Fevereiro de 2018, chegamos a 445 downloads deste livro. 
:: Baixar PDF
:: Baixar o e-book para ler em seu Macintosh ou iPad

Uma palavra depois da outra


Crônicas para divulgação científica

Em 19 de Fevereiro de 2018, chegamos a 5593 downloads deste livro.

:: Baixar o e-book para ler em seu Macintosh ou iPad
:: Baixar PDF


 

Novos Livros

Perfil

Nasci no remoto ano de 1945, em São Lourenço, encantadora estação de águas no sul de Minas, aonde Manuel Bandeira e outros doentes iam veranear em busca dos bons ares e águas minerais, que lhes pudessem restituir a saúde.

Leia Mais

Publicações

Do Campo para a cidade

Acesse: