A Brasília que não lê

Quem são esses brasileiros analfabetos residentes no DF?

Leia Mais

Projeto Leitura

O Projeto Leitura, tem como objetivo vencer um dos maiores desafios encontrados pelos professores e amantes da literatura: Criar o hábito da leitura.

Leia Mais

Projeto LEF

Projeto LEF Confira artigos, trabalhos, Vídeos, Fotos, projetos na seção do Letramento no Ensino Fundamental.

Leia Mais

Na aula de hoje vamos ler um miniconto, isto é, um conto bem curto. Este tem apenas 139 palavras distribuídas em 13 linhas e foi publicado no site www.stellabortoni.com.br no dia 15 de junho de 2016.

Celular (baseado em uma tragédia real)

Aos poucos a capela mortuária foi-se enchendo de amigos da família e colegas da moça. O pai, olhos vermelhos e um lenço amassado nas mãos, ainda tinha forças para agradecer aos que lhe davam pêsames. A mãe, olhar perdido em um passado longínquo, às vezes, acariciava os braços da filha, e debruçava-se sobre o corpo, querendo dizer-lhe alguma coisa. Era uma filha que só lhes dava alegrias. Quando entrou na universidade para fazer curso de jornalismo, a primeira da família a cursar universidade, foi uma alegria só. O pai levou todos a uma churrascaria para celebrar. Agora estava ali, morta.

No dia anterior, ela saía da faculdade quando foi abordada por um casal que lhe gritou que passasse o celular. Assustada, a moça saiu correndo, mas eles a alcançaram e lhe cravaram uma faca no peito. Morreu na hora.

__ Vocês sabem o que é uma capela mortuária?

 Silêncio

__ É uma capela onde as pessoas se despedem de um ente querido que veio a falecer. O corpo é levado para a capela e ali é velado. Qual poderia ser a intenção da autora ao usar essa expressão na primeira linha do miniconto?

__ É pra ela dizer que havia um velório, né?

__ Sim, muito bem. Onde é que a autora explica quem havia morrido?

__ Silêncio.

__ Vamos reler.

“Aos poucos a capela mortuária foi-se enchendo de amigos da família e colegas da moça. O pai, olhos vermelhos e um lenço amassado nas mãos, ainda tinha forças para agradecer aos que lhe davam pêsames. A mãe, olhar perdido em um passado longínquo, às vezes, acariciava os braços da filha, e debruçava-se sobre o corpo, querendo dizer-lhe alguma coisa.”

__ Era uma moça.

__ Quem estava no velório?

__ Silêncio.

__ Acho que é o pai, a mãe e amigos, professora.

__ Por que a autora diz que o pai tinha olhos vermelhos e um lenço amassado nas mãos?

__ Porque ele estava muito triste e chorando.

__ E a mãe da moça, o que estava fazendo?

__ Ela estava se despedindo da filha.

__ O que o miniconto revela sobre a vida da moça?

__ Era uma boa aluna que já estava na universidade.

__ E sobre sua morte?

__ Foi um casal de assaltantes que a matou.

__ O texto constrói uma imagem positiva da vítima? Qual é a frase que resume o sentimento dos pais em relação à filha?

__ É essa: “Era uma filha que só lhes dava alegria”?

__ Parabéns. Vocês gostariam de dar outro título para o miniconto?

__ Eu ia chamar de violência!

__ Muito bem, por certo que é uma pequena narrativa sobre a violência urbana.

Brasília, maio de 2017.

Categoria pai: Seção - Blog

Uma palavra depois da outra


Crônicas para divulgação científica

Em 20 de Junho de 2017, chegamos a 4585 downloads deste livro. 


:: Baixar o e-book para ler em seu Macintosh ou iPad
:: Baixar PDF


Novos Livros

Perfil

Nasci no remoto ano de 1945, em São Lourenço, encantadora estação de águas no sul de Minas, aonde Manuel Bandeira e outros doentes iam veranear em busca dos bons ares e águas minerais, que lhes pudessem restituir a saúde.

Leia Mais

Publicações

Do Campo para a cidade

Acesse:

 

Pesquisar